Meus Anjos Adorados

Meus Anjos Adorados

Amiguinhos adorados

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Anjos - A Discussão no Faqueiro

A Discussão no Faqueiro

No faqueiro da cozinha haviam talheres de prata, inox e também os de cabo plástico. Os garfos de prata se achavam muito importantes, afinal eram a prata da casa e usados somente em ocasiões especiais. Um certo dia, a cozinheira estava preparando os alimentos e ouviu um zum-zum-zum vindo do armário. - Meu Deus que barulhão é esse? - indaga assustada. E o que antes era um burburinho virou um falatório geral. - Saiam daqui seus talheres inúteis. - disse o arrogante garfo de prata. - Vocês não vêem que sem vocês o faqueiro é mais belo? - continuou  esnobando. A cozinheira pensou que estivesse ficando doida pois desde quando talheres falam? Ao fundo ouvia-se o choro que vinha das colheres, facas e garfos de inox e  cabo plástico. A cozinheira olhou e não acreditou no que presenciava. - Vocês estão brigando por quê? - indaga indignada. O antipático garfo de prata disse: - Quem é você para interferir na nossa conversa? A cozinheira pôs as mãos na cintura e disse: - Você é só um garfo como todos os outros, e só porque é de prata pensa que é o tal. - Mas eu sou o tal! - disse rindo o garfo de prata. - Coloque-se no seu lugar garfo metido.Todos os talheres são importantes no faqueiro independente do material que sejam feitos. Ao fundo ouviam-se os talheres de inox e cabo plástico, batendo palmas e rindo muito da bronca que o garfo de prata tinha levado. - O que realmente interessa é  sim a sua utilidade no dia-a-dia. - Não adianta ser de prata e nunca ser usado, pois você será apenas um enfeite. A turminha do inox e cabo plástico estava vibrando de alegria e assobiando muito, pois não imaginavam que iriam encontrar uma defensora humana.
 - Ha,ha, ha, viu só rapaz de prata? - disse uma colher de cabo plástico.
- Mereceu! - disse um os garfos de inox. - A partir de hoje você garfo antissocial e sua turma ficarão isolados na outra gaveta para aprenderem a respeitar os outros talheres. - disse brava a cozinheira. - E ai de vocês se eu pegar esse papinho bobo de novo!
 - kkkkkkk, viu só bonitão, levou! - disse uma das facas de cabo plástico.
- Agora chega galera! - disse a cozinheira. - Cada um no seu lugar e paz e harmonia para todos! - É isso aí! - gritou um dos garfos de cabo plástico. E a cozinheira voltou para seu trabalho mais feliz por ter resolvido um pequeno conflito doméstico.
Elza Ghetti Zerbatto

5 comentários:

  1. Essa história da Elza é mesmo um amor! Bom ver aqui também! bjs às duas,chica

    ResponderExcluir
  2. Ah, mas que conflito doméstico mais inusitado! Nunca mais vou olhar pros meus talheres do mesmo jeito! kkkkkk
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. olá, conhecendo o teu blog. gostei, vc aborda assuntos importantes de forma leve, é por aí a vida,rsrs já te sigo e te convido a conhecer o meu cantinho,bjs

    http://mentesinfantisfuturodapaz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Bem interessante Verena e assim é que devemos pensar o respeito está acima de tudo.
    Gostei muito.

    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  5. Oi Verena!
    Obrigada por ter postado o meu texto aqui.
    Sempre bom quando você aparece e deixa seu carinho lá no blog.
    Abração com carinho a ti e toda galerinha.

    ResponderExcluir

Ficamos felizes com o seu comentário
Volte Sempre!!